pra quando você acordar

por Bettina Bopp

Would you know my name if I saw you in heaven?

Você não vai acreditar, mas você morreria dia 16 de setembro, 15 anos atrás, no final da tarde. Eu pendurava essas fotos antigas na parede da minha casa um pouco antes do telefone tocar. Era um dia comum. Comum demais pra morrer.

E então você deixou pra morrer no meio de uma pandemia – “emergência de saúde pública de âmbito internacional”. Deixou para morrer em uma data comemorativa, feriado nacional. Deixou para morrer no dia 7, o número da perfeição e que integra os dois mundos.

Sua independência e morte. Pausa para suspirar. Mas não foi em vão.

Porque durante muito tempo eu pensava assim. Se você não acordasse teria sido só dor, espera e fim. Teria sido em vão. Mas não sinto mais desse jeito. Tem lágrima, mas são salgadas, não amargas.

As nossas conversas trouxeram pra perto tanta gente, tanto afeto, tantas histórias.

Você foi leitura aos domingos. Você inspirou música e matéria na mídia. Você fez amigos desconhecidos. Você virou oração.

Você é minha pedra, Ita.

O que aconteceu com você clinicamente nos últimos dias foi gatilho para acionar o Protocolo de Londres. Sabe o que é isso? Uma investigação profunda para não acontecerem faltas ou incidentes nos serviços de saúde. Em outras palavras, até quando você partiu, socorreu quem ainda precisa de ajuda médica. Você fez pelo outro.

Claro que tem dor. Na última quarta-feira, no próprio dia 16, foi o dia de desmontar seu quarto. Levaram a cama e a cadeira de rodas. Doei as roupas, mantas e cobertores. Guardei as fotos do quadro de imã. Há 15 anos, eu pendurava fotos.

“A saudade é arrumar o quarto.” Foi mesmo mágico a mãe ter ido embora antes de precisar cantar o fim desse verso. Ela não merecia perder você duas vezes. Ninguém merece.

Eu ouvi tanta coisa bonita sobre a partida de vocês dois tão próxima. Uma querida me disse que era como o último capítulo de uma temporada, que faz chorar, mas que pensar em você e a mãe acordando juntos é “o fim mais lindo que alguém poderia imaginar!”.

A mãe era o seu anjo da guarda – e eu que sempre pensei que você fosse o dela.

Na conversa do blog “Almas com perfume de jasmim”, eu contava sobre os seis sobrinhos: os meus três e os três do Fabio. “Sabe, as meninas são mulheres-alpha, fortes, inteligentes, decididas. Os meninos, os três, são anjos disfarçados”. Tem coisas que não mudam.

Bruna coloca os verbos da minha vida e da vida de quem ela ama no passado: “já comprei, já resolvi, já levei…“ deixando os dias e o pretérito perfeito.

Lucca transforma os dias em poesia, mesmo os da pandemia, mesmo os muito doloridos, mesmo os mais banais. Ele me empresta as asas e a coragem.

Maria traz um novo olhar sobre as coisas e me orgulha em cada decisão. Se perdendo nos olhos d’água, a gente pensa no que nem poderia imaginar. Nesses dias, ela me pegou pela mão.

Bella é a mais ponderada de todos nós. Ela suaviza a passionalidade dos Bopp, vê os dois lados em tudo, é evoluída e alquimista.

Fabinho fala exatamente o que cada um quer ou precisa ouvir. Ele sabe como ser surpreendente.

Derek é câncer, com ascendente em câncer e lua em câncer. Preciso dizer quem será o guardião da família?

A gente vai precisar aprender os Natais sem vocês, os aniversários, as celebrações todas. Vai doer, mas temos as mãos uns dos outros.

Esqueci de dizer que chorei quando vi no seu armário aquele All Star branco, de cano alto, que o médico pediu pra comprar quando você dormiu. Você nunca usou, mas soube ali que nossos passos seriam diferentes.

Depois do All Star de cano alto, preciso dizer que tenho algumas conversas que não terminamos ontem, ficou pra … e eu ainda quero te contar.

5 comentários em “Would you know my name if I saw you in heaven?

  1. Marilda
    setembro 20, 2020

    Ah… Como eu amo tudo isso… Chorando aqui de tanto amor, não de tristeza, nunca.

    Curtir

  2. baronisp
    setembro 20, 2020

    Pensar em tudo isso é uma das mais intensas sensações que sinto na minha vida, mix feeling master, pois além de vir aquele sentimento triste da perda do Ma e da grande mãe de vocês, vem milhares de sentimentos lindos juntos, muito orgulho, admiração, fé e principalmente, muito amor! Aprendemos novos significados para estes sentimentos e sensações através das suas palavras Bê!!! Tenho muito orgulho da forma linda que vocês conduziram tudo nesta jornada! Obrigado por me deixarem fazer parte de um pouco desta história, amo vocês Bopp! Continuamos juntos, eles em nossos corações e orações! ❤️❤️❤️

    Curtir

  3. Katy
    setembro 21, 2020

    Saudade !!!! Saudade !!!! Saudade !!!! Lembrar do qto nos divertimos

    Curtir

  4. Graciete
    setembro 21, 2020

    Só queria poder conhecê-los e levar meu abraço!

    Curtir

  5. Tati
    setembro 29, 2020

    Oi Betina. Há tempos não passava aqui, não sabia que ele tinha partido. Sinto muito, meus sentimentos. Que você receba todo conforto e amor que merece, que continue irradiando sua esplendorosa luz, ensinando a todos a servir com alegria e a ter fé. Que bela história vcs dois escreveram e assim continuam, pois seu irmão continua vivo em ti. Com carinho, Tati

    Curtir

Deixe uma resposta para Marilda Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em setembro 20, 2020 por .

Navegação