pra quando você acordar

por Bettina Bopp

E o coração de quem ama, fica faltando um pedaço

FullSizeRender

Você não vai acreditar, mas a prefeitura vai cercar a Praça do Pôr do Sol, com grades e horário para fechar e abrir. Sabe por que, né? Aquela ideia insistente no Brasil de que o espaço público não é de todos, é de ninguém. Então, o lugar virou pós-balada da Vila Madalena, com muito barulho, drogas lícitas e ilícitas sendo vendidas e cacos de vidro, lixo e preservativos deixados no parquinho.


Tenho uma sensação quase infantil e egoísta, mas sempre achei que a praça era meio nossa. Ali foi praticamente o quintal da nossa infância. Naquele cimentado do centro, aprendi a andar de bicicleta sem rodinha e fiz um galo enorme num tombo de patins. Separei pra você aquela foto que o Victor, irmão da Paula, tirou dela depois de um dia de chuva. Olha como parece que naquele cimentado havia um lago. Bem bonito.

 

A gente nem chamava de praça, era o morrinho, lembra? A subida com a Ormezinda até a lojinha da dona Tereza pra comprar chicletes Ploc inaugurava as nossas férias de inverno. Ainda que a cada ano o chiclete tivesse novos sabores, as tardes de julho sempre tiveram gosto de hortelã.

E depois escolher e pagar com a mesada as pipas de papel. Empinar com o pai era o máximo da nossa liberdade vigiada. Fim de semana era tempo das pipas no céu e escorregar na grama com as caixas de papelão, que a mãe trazia aos montes do Gonçalves Sé. Confesso que meu maior pesadelo era rolar lá para baixo e cair no asfalto da Estrada das Boiadas.

Acho que foi o Filé o primeiro a me perguntar se eu morava no Morro do Pôr do Sol. Eu ainda estava crescendo e não conhecia a nomenclatura e a programação adolescente do bairro. Foi com o Filé que aprendi que, no fim de tarde, ele e a turma do Balão pediam uma média na Padaria Pioneira e depois subiam todos de moto para o alto do morro.

Eram os meninos mais lindos do bairro, da cidade, do mundo. Deuses do Olimpo e que agora a Paula e eu fazíamos parte da turma e subíamos também pra ver o pôr do sol.

Em nossas milhares de subidas e descidas, e através das lentes do Victor, a gente foi vendo mudar a silhueta do horizonte com as novas construções e a força da grana que ergue e destrói coisas belas.

Não sei mais soltar pipa. Não existe mais chiclete Ploc e nem a loja da dona Tereza. Filezinho, como deus, escolheu morar no Morro do Olimpo. Beto foi fazer companhia e o resto da turma faz parte da minha rede virtual e vire e mexe perguntam de você.

Hoje é dia dos pais. Além de rolar morro abaixo num pedaço de papelão, sempre tive medo do dia dos pais sem meu pai. É estranho. Já não tem na mesa de centro a latinha de brie e a garrafa de vinho. As risadas, as histórias e os corações amassados em um, dois, vinte milhões de abraços. Ai, pai…

Vão cercar a praça, Ita. E eu fico pensando se preciso também cercar essas memórias pra elas não escaparem pra debaixo dos meus dias.

 

Obs: Fotos em pb da Praça do Pôr do Sol, nos anos 70, do fotógrafo Victor Andrade.

 

 

Anúncios

12 comentários em “E o coração de quem ama, fica faltando um pedaço

  1. Ana Cristina
    agosto 15, 2016

    lindo os seus textos,lindo o amor que vc tem pelo seu irmão!!

    Curtir

  2. Henri Galvão
    agosto 15, 2016

    “Vão cercar a praça, Ita. E eu fico pensando se preciso também cercar essas memórias pra elas não escaparem pra debaixo dos meus dias.” caramba, sem palavras

    Curtir

  3. helviocaldeira
    agosto 15, 2016

    Bettina, descobri seu blog por acaso e só tenho a agradecer ao destino por me permitir conhecê-lo. Mesmo sendo leitor compulsivo, há tempos não lia palavras tão sinceras e que mexessem tanto comigo (sempre achei que seria impossível um texto me fazer chorar como os seus fizeram). Já divulguei para os amigos, li praticamente todos os posts e agora faço parte dos que torcem e oram para que seu irmão acorde logo. Deus abençoe vocês.

    Nunca pare de escrever. Ah, e muito obrigado por me fazer lembrar do verdadeiro porquê de escrevermos. ❤

    Curtir

    • bettinabopp
      agosto 22, 2016

      Tão lindo, querido, tão generoso. Fico emocionada por ter gostado da nossa história. Privilégio ter você como leitor. bj

      Curtir

  4. Leonardo
    agosto 16, 2016

    O coração de quem ama… ficam faltando uns pedaços. Aos poucos se vão. Os dias dos pais passou e ele não estava mais aqui. Os bons vizinhos se vão aos poucos. Os espaços vão se transformando e a gente parecendo estranho neles. Como você no dia-a-dia vamos caminhando… O bom de tudo, as flores insistem em desabrochar, a chuva a fecundar e você a escrever. Um bálsamo. Solidário pelo Ita.

    Curtir

  5. Sylvia
    setembro 15, 2016

    Bettina, fiquei sabendo (hoje) do seu blog! Fiz CEL LEP com o Itamar – qdo o cel lep era na Cidade Jardim, onde hoje é o Benihana…..Meu deus ato tempo e qts lembranças. Morava na Diogenes naquela época… perto da casa dos seus pais!.. Fui muito próxima dele. Uma vez até o Fabio me socorreu em um acidente na esquina com a São Gualter!! Vou seguir este seu blog para ter a grata surpresa um dia……

    Curtido por 1 pessoa

  6. Angela
    outubro 25, 2016

    Betina, não sabia dos eu blog e me emocionei com seus lindos textos…foi tão bom ver as fotos do Ita…que saudades… beijo grande. Angela toepfer tavares

    Curtido por 1 pessoa

    • bettinabopp
      outubro 26, 2016

      Oi, Angela! Que bom que chegou até aqui e que gostou. Saudades dele sempre. bj

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em agosto 15, 2016 por .