pra quando você acordar

por Bettina Bopp

Mesmo que eu mande em garrafas mensagens por todo o mar

   foto    

Você não vai acreditar, mas eu acreditei. Alguém compartilhou a noticia de um navio chamado Cotopaxi, desaparecido há 90 anos no Triângulo das Bermudas, que teria sido encontrado agora em maio, pela Guarda Costeira de Cuba. Tinha até uma foto do barco à deriva.

Eu acreditei, mas me deixa explicar. O Cotopaxi existiu mesmo e afundou em 1925 durante uma viagem entre a Carolina do Sul e Havana.

O Triângulo das Bermudas sempre foi um lugar cercado por lendas e teorias sobre barcos e aviões desaparecidos e acontecimentos inexplicáveis.

A gente mesmo ficou morrendo de medo quando o pai e a mãe viajaram para os Estados Unidos, lembra? Um dos medos era de que o avião desaparecesse quando passasse por ali.

Mas a tal notícia do navio era falsa. Esse boato surgiu de uma publicação feita num site humorístico e alguns sites divulgaram como real. E foto era apenas um frame do filme Contatos Imediatos de Terceiro Grau.

Tenho medo de desaparecimentos, de buscas por pessoas. Não sei se porque na infância fomos aterrorizados pela notícia do desaparecimento do Carlinhos, aquele menino lindo e loiro que foi sequestrado no Rio e nunca mais apareceu. Me impressionei quando a irmã do Vitor Belfort desapareceu em 2004 e o irmão do Marco Ricca, no ano passado.

Pessoas desaparecem todos os dias, em todos os lugares. Só no Brasil, li que, a cada 45 minutos, 22 pessoas desaparecem. Muito, né? Triste, né? O bom é que 60% dessas pessoas são encontradas. Ou voltam pra casa. Talvez não mais os mesmos de quando saíram, mas voltam.

A mãe contava aquele caso de um amigo dela que saiu de casa, pegou um taxi e sumiu por dias, sem ninguém saber dele. Foi encontrado duas semanas depois, sentado na porta do prédio onde passou a infância em Santos, sendo essa a única memória que ainda guardava.

Lembra que a Cynthia, irmã do Sergio, criou e distribuiu nos correios uma cartilha pra ser usada com os aprendizados do desaparecimento do tio Miguel há mais de 15 anos? Generosa.

Outro dia, o Jaime, rapaz da manutenção da escola, me perguntou sobre você e me contou do irmão mais novo que foi trabalhar em Maresias, saiu pra dar um mergulho e nunca mais voltou. Já faz anos. Todos os dias, o Jaime espera que ele não tenha morrido e que volte pra casa. “Você deve pensar isso também toda manhã, não é, Bettina? Será que é hoje que meu irmão vai voltar?”. Acho que sim, Jaime, embora o tempo e a esperança sejam inversamente proporcionais.

Mas quem sabe eu ainda acredite que você e essas pessoas morem em algum lugar especial, fazendo alguma coisa especial e se preparando pra um dia voltar. Você espera por alguém? Precisa terminar algo? Quem sabe se esse lugar escondido não seja perto do Triângulo das Bermudas ou em Atlântida…

Há umas semanas, uma escuna ficou à deriva e foi arrastada para areia na praia de Camburi. O Fernando Leng tirou essa foto dela encalhada na areia. Achei bonita.

Camburi era sua praia no mundo. Será um sinal? Sinal de que o mundo é dos que sonham que toda lenda é pura verdade?

PS Essa semana, o Jaime, querido colega de trabalho, viveu momentos bem difíceis. A boa notícia é que ele está bem e logo, logo vamos voltar a conversar sobre essas coisas da vida tão importantes e preciosas.

Anúncios

6 comentários em “Mesmo que eu mande em garrafas mensagens por todo o mar

  1. Karla Machado
    julho 20, 2015

    Cada vez que leio um novo capítulo, emociono-me e imerso nas suas reminiscências, que tornam-se nossas, seus leitores, que compartilhamos desta abnegação, fé e amor!
    Como disse outrora, vocês não estão sós, pois além dos amigos que os conhecem, que estariam perto ou distante, ainda tem os leitores, por você desconhecidos, mas que a conhecem tão intensamente. Na torcida #acordaita

    Curtido por 1 pessoa

  2. Bárbara
    julho 23, 2015

    #Fé #AcordaIta

    Curtido por 1 pessoa

  3. Eliene Andrade
    julho 23, 2015

    Bettina, parabéns. Li hoje no jornal extra a linda maneira que encontrou para ter contato com seu irmão. Sabe, quem me dera ter uma irmã como você. Não sei como seu irmão vai receber tudo que escreveu e escreve aqui. (Ainda estou lendo ). Parei de ler um pouco, fiquei engasgada de emoção. Obrigada, ao escrever está também, ajudando outras pessoas a saborear um pouco deste amor. Até mais, amanhã volto para ler mais. Deus te abençoe, dando saúde e forças para continuar. Há se possível poderia dizer o nome da página no facebook? Obrigada amada. Bjs no Itamar. Eliene Andrade

    Curtido por 1 pessoa

    • bettinabopp
      julho 24, 2015

      Que mensagem carinhosa, Eliene, obrigada! A página também chama pra quando você acordar! Bj

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em julho 19, 2015 por .