pra quando você acordar

por Bettina Bopp

Tenho que esquecer a data

reveillon

Você não vai acreditar, mas queria participar de um Shabat. Olhar pro céu dezoito minutos antes do pôr-do-sol de sexta-feira e crer que a luz daquela noite é diferente deve ser bonito. Acender velas, ouvir uma canção ou oração, estar vestido com roupa branca, comer comidas especiais…

Gosto de datas e dias com outros significados. Gosto de pensar que existe a possibilidade e a liberdade da gente criar um dia da semana, do mês, do ano pra ouvir a voz interna, os desejos secretos e fazer desse momento um encontro com o sagrado. Gosto muito de rituais.

Tinha algum ritual mais marcante na nossa infância do que o Ita-avô, no meio da semana, mexendo na coleção de selos? Aquela luminária em cima da mesa, um copo com alguma solução dentro, um paninho limpo, as folhas da coleção espalhadas, os selos enfileirados em protetores plásticos e ele, sentado, pescando um por um com uma pinça comprida. O Itinha era praticamente um alquimista. Transformava aqueles papeizinhos coloridos em ouro.

A raposa já dizia ao principezinho que era preciso ritos. “É o que faz com que um dia seja diferente dos outros dias; (…). Os meus caçadores, por exemplo, possuem um rito. Dançam na quinta-feira com as moças da aldeia. A quinta-feira então é o dia maravilhoso!”

Não sei se por influência da raposa, mas às quintas-feiras o Paul tem encontrado ex-alunos na hora do almoço. Não é o máximo esse rito? Nem terça, nem quarta. Quinta-feira. Certeza que você iria a um desses almoços. E falaria: “Rrrrrrrrrrezende, que prazer em rever tão ilustre pessoa!”. Fico na dúvida qual dos perfumes ficaria mais evidente no ar, o seu ou o dele, mas de qualquer maneira seria um encontro aromático e amoroso!

Há dois anos, envolvida com leituras sobre a Cabala, vi que a primeira noite de Rosh Hashaná – o Ano Novo pelo calendário judaico – teria início dia 16 de setembro. Na mesma data, fazia 7 anos que você tinha dormido. E estaria começando o ano judaico de 5773.

Sete anos no ano com final 773 – tenho mania desses números, você sabe. Então, resolvi fazer o ritual do Rosh Hashaná aqui em casa, mesmo com pouquíssima cultura judaica.

Li a simbologia de cada alimento e o pedido que é recitado antes de comer cada um deles. As pessoas deveriam comer abóboras, beterrabas, tâmaras, alho-porró, maçã, romã e mel para ter um ano protegido, farto e doce.

Convenci meus filhos de que seria bacana. Eles aceitaram por mim, não por eles, claro. Coloquei velas, flores e uma toalha nova. Fiz uma playlist das músicas e do toque do shofar. E comemoramos, em setembro, no quintal de casa, o Ano Novo de 5773.

Depois, fui até sua casa, fiz você ouvir o toque do shofar e experimentar um pouquinho de purê de abóbora e maçã com mel.

No ano seguinte, não tinha numerologia especial. Então deixei o destino cumprir seu curso, sem interferência alimentar.

Meus filhos e eu temos o ritual de celebrar os quatro juntos pequenas ou grande vitórias. Trocamos e-mails contando a boa-nova e saímos pra jantar em algum lugar gostoso. Foi assim pra comemorar uma reportagem de capa da Bruna, uma campanha do Lucca veiculada, a finalização de um curta-metragem da Maria ou o lançamento do meu primeiro – e até agora único – livro. Somos parceiros.

Essa foto é do último réveillon que nós todos passamos juntos na sua casa em Santiago, no ano em que você comprou. E naquela noite, cumprimos todos os ritos de passagem: louro, uvas, lentilhas, fogos e sete ondas – menos o pai que estava de calça, cinto e sapato na areia!

Como cada ritual é um manifesto contra a indeterminação, hoje em dia meu rito é escrever e postar todo domingo o que tenho vivido por nós.

Deixa de ser um sujeito indeterminado, termina de cumprir seu ritual e volta, tá?

 

Anúncios

16 comentários em “Tenho que esquecer a data

  1. Juliana Navarro
    maio 25, 2014

    Sem palavras……. só emoções! Grande bj

    Curtir

  2. Roberta Ferreira
    maio 25, 2014

    Nossa Bê ,

    Me lembro tão bem do seu vô e o fascínio que a coleção de selos dele exercia na gente, lembro do selo olho de boi que ele tinha, não era esse o nome, lembro que era um selo super importante … Bons tempos da nossa infância !bjs

    Curtir

    • bettinabopp
      maio 25, 2014

      Era isso mesmo, querida! Delícia essas memórias estarem guardadas com vc! Isso só mostra que nossa amizade ficou pra sempre! Bj, Robi

      Curtir

  3. gisela
    maio 25, 2014

    que lindo texto, Betina querida

    Curtir

  4. lulicrespin
    maio 25, 2014

    Fiz uma viagem no tempo com suas palavras
    Onde senti muita saudade do clã Itamar
    Vô Ita, tão lindo, apaixonado pelos selos e sempre impecável no terno marrom
    Sr Itamar que deixou tantas vezes de passar o ano na praia de Santiago com a gente, para ficar com você Ita
    E você, um pouco dos dois te fizeram perfumado
    Sim 3 homens com o mesmo nome Itamar Bopp, filho e neto
    3 filhos, 3 netos, 3 bisnetos
    Entra nos números que para a Bê hoje são tão significativos
    Pela fé dela, renascida pela Cabala, onde o que for preciso para trazer harmonia será feito
    Todos os movimentos estão sendo feitos por nós e universo para te ajudar a acordar
    Sei que talvez seja difícil para você, mas parece que as coisas estão mudando
    Sinto você mais desperto, ou pelo menos você tem me presenteado com gargalhadas ou choros, não importa, só importa que venha de você
    Vem Ita….
    Se puder sem medo…

    Curtir

  5. Bruna
    maio 25, 2014

    Caminhar pelo jardim descobrindo novas plantas, discutir muitas ideias durante o trânsito, assistir História de Amor como se fosse a primeira vez.
    Amo nossos rituais, mãe.

    Curtir

  6. Ana Carolina
    maio 26, 2014

    Nossa Bettina, relembrei minha infância, pois estudei em Colégio Judaico onde a Cidinha (Vó Cida) trabalhava, todos os rituais são muito bonitos e a culinária muito saborosa cada um com seu significado, (nem lembrava mais do Shofar)rsrs. Obrigada, Espero que ele volte melhor que antes, bjs no coração de vcs

    Curtir

    • bettinabopp
      maio 26, 2014

      Carol, querida, saudades de você, da sua mãe e principalmente da tia Cida, porque vocês duas tenho a chance de encontrar! Que tal? Combine com a Rita pra fazermos um ritual de primos! Beijo, linda!

      Curtir

  7. Ana Carolina
    maio 27, 2014

    Adorei a Ideia, qd for a São Paulo aviso e marcamos alguma coisa!!
    Saudades tb lembro das visitas nas duas casas Luli e sua, das brincadeiras …..bjs ❤

    Curtir

  8. Maria Cruz
    agosto 13, 2015

    Tenho um enorme carinho por esse blog, e me sinto tão envolvida que sinto um enorme carinho por todos citados nos textos.
    Como a minha rotina é super corrida, posso dizer que eu tenho um ritual diário. Todos os dias de manhã venho e leio um texto, e cada dia são novas esperanças, novas formas de expressar o amor.

    Obrigado por me fazer ser mais esperançosa e por tornar meu dia melhor.

    Um grande abraço a todos e muita energia positiva ao Itamar.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em maio 25, 2014 por e marcado , , , , , , , , , .